[Review] O Espetacular Homem-Aranha 2

Foi muito difícil começar a escrever esta review porque sempre que paro e penso sobre O Espetacular Homem-Aranha: A Ameaça de Electro entro em dúvida comigo mesmo: gostei ou não do filme? Ele funciona de diversas maneiras e visuais – o que para mim vale muito -, mas certas tramas e sequências do diretor Mark Webb me deixaram com uma sensação estranha, como se meu Sentido de Aranha apitasse.

Aranha 01

Quando a Kell falou sobre o primeiro filme, sua visão é peculiar daquela pessoa que não cresceu vendo (e lendo) o Escalador de Parede no formatinho da Marvel, porém concordo que o filme anterior tenha me prendido a atenção. Sobre A Ameaça de Electro, as coisas se tornaram diferentes (fui mais realista e pé no chão) e pude perceber que o caminho tomado por Webb talvez esteja ladeira abaixo.

A trama principal de ambos os filmes envolve os trabalhos dos pais de Peter (Andrew Garfield) para a enigmática Oscorp, mas se isso não funcionou nos quadrinhos, poderia dar certo na telona? Não! Ainda é confusa a história de que Richard Parker desenvolveu genes ao lado do Dr. Connors (Rhys Ifans, no primeiro) e de Norman Osborn (Chris Cooper, neste segundo) visando novos experimentos com animais, e realizando testes aleatórios nos primeiros humanos.

Por outro lado, Andrew é o Homem Aranha que todo mundo sonhou, aquele mostrado nos quadrinhos atuais que brinca com tudo, ri de tudo e sempre tem uma piada pronta na língua. Emma Stome faz de sua Gwen um ícone do cinema que será lembrado por vários anos assim como Christopher Reeve é associado com o Superman. Ela está tão solta e segura no papel que não iremos lembrar de Mary Jane nesse filme – ela estava cotada para aparecer – ou de Felicia (Felicity Jones), que futuramente será a Gata Negra.

Aranha 02

Outro que não convence é Max Dillon (Jamie Foxx). O personagem não transmite motivação e nitidamente serve de escada para a aparição do Duende Verde, mesmo com a boa atuação de Jamie. Ele quer crescer e se tornar um cara a ser temido pelo Aranha, mas assim como nos quadrinhos, não tem tanto impacto quanto Harry Osborn (Dane DeHaan). Dane está impagável como o grande vilão dessa sequência, e mesmo com aquele cabelo para o lado, jeito de chorão, ele consegue honrar o nome do personagem e se tornar obcecado por Peter.

Paul Giamatti é mais um destaque com seu raivoso Aleksei Sytsevich, mais conhecido como Rino. Seu personagem tem dois momentos marcantes no filme e ele não deixa a vontade de lado; está insano e bem caracterizado. Mas méritos sejam feitos à Sally Field (Tia May) que incorpora uma senhora tia/avó/mãe de Peter em um dos momentos mais pontuais do filme – e não assuste se ninjas cortarem cebolas perto de você. Só faltou a frase “Com grandes poderes…” na cena.

Aranha 03

Como você pode ver, O Espetacular Homem-Aranha: A Ameaça de Electro se vale mais de seus personagens do que de seu roteiro confuso –  trabalho de Alex Kurtzman e Roberto Orci (Além da Escuridão: Star Trek) – que dá voltas nos arranha-céus para entregar muito do que os fãs esperam e nada mais do que simplesmente um segundo filme da franquia. Agora que os personagens estão desenvolvidos é hora que colocar a roupa de briga nos dois próximos.

Três pontos: a cena inicial quase me fez levantar da cadeira do cinema de tão ruim que é. Segundo é que o 3D funciona maravilhosamente bem nas cenas do Amigo da Vizinhança balançando por Manhattan e nas lutas contra os três vilões – e são todas um contra um (nada de todos contra o Aranha) – com raios por todo lado. Por fim, reparem no discurso da Gwen e nas roupas do futuro Sexteto Sinistro. Está tudo na sua frente, é só ligar os pontos.

About the Author

Leo Luz

Jornalista, fotógrafo e admirador de cultura japonesa. Gosta de jogos, mas sua paixão são as HQs. E os livros. E filmes.

Deixe uma resposta