[Review] O Espetacular Homem-Aranha

Quando eu era mais nova, não costumava acompanhar muitas notícias de HQ’s, ou ainda mais de filmes. Ficava sabendo de uma coisa aqui, outra ali, mas nada muito complexo e aprofundado. De qualquer forma, com o passar do tempo, eu fui pegando o gostinho pra procurar mais sobre esse universo, e assim formando meus heróis favoritos. Confesso: O Aranha nunca foi o meu preferido. Mas após ver O Espetacular Homem-Aranha (e esquecer os filmes anteriores), esse herói da Marvel passou a ganhar vários pontinhos no meu coração.

O filme pegou todo o elemento e a essência que compôs a primeira adaptação de 2002 – com o diretor Sam Raimi, “estrelado” por Tobey Maguire – e fez dar certo, mostrando desde o início, quando Peter (Andrew Garfield) é abandonado por seus pais na casa do Tio Ben (Martin Sheen) e da Tia May (Sally Field), até sua adolescência, onde é ignorado por muitos e sofrendo bullying por tantos outros. Tudo muda quando Peter descobre uma pasta escondida no porão e começa a investigar do porquê seus pais terem o deixado, e que segredos escondiam.

Na sua busca por descobertas, ele conhece o Dr. Curt Connors (Rhys Ifans) – futuramente viria a ser seu inimigo -, que trabalhava com seu pai em um experimento secreto e tinha certeza que poderia acabar com a deformidade das pessoas, baseando a combinação genética de espécimes animais com humanos. Muito bem desenvolvido, o diretor Marc Webb dirige um reboot excelente, combinando elementos certos de comédia, drama, romance e ação, tudo que Raimi deveria ter feito e não fez.

No começo, o ator Andrew Garfield me deixou com o pé atrás, mas ele faz um papel realmente espetacular, encarnando o Homem-Aranha dos quadrinhos. Pelo menos ele tem mais expressões que o Maguire, e isso acredite, é um avanço e tanto! Pontos também a queridinha Emma Stone, que faz mais do que um simples papel de namoradinha do herói, sua Gwen Stacy o ajuda, o apoia e o incentiva, colocando sua própria vida em perigo para ajudar o Aranha.

Mil vezes ela do que a sem graça Kristen Dunst (que mesmo ruiva conseguiu piorar ainda mais a trilogia antiga), como Mary Jane. E não menos importante, o vilão, vivido por Rhys Ifans, e sua loucura pelo alter ego: Lagarto, em se tornar um ser muito superior aos “meros” humanos! *palmas*

Por eu não acompanhar os quadrinhos do herói, achei o filme bem rico de informações e para mim foi um prato cheio. Claro, eu entendo que nem sempre vão conseguir ser 100% fiéis com as HQ’s e isso acontece com tudo quando vão adaptar para as telonas: jogos e livros são a prova disso! Talvez eu só colocasse uma trilha sonora mais vívida, pois eu nem percebi ela no cinema.

Outra coisa que posso comentar que me cativou bastante, foram as referências com o primeiro filme da antiga trilogia. Apesar de ser um reboot, tenho a impressão de que o diretor Marc Webb quis brincar dizendo “Ei, olha, o outro filme só serviu para adaptar o meu de algumas coisas, que por um acaso é melhor!”. Por outro lado, foi o que eu disse anteriormente, a essência de tudo estava certa, só foi trabalhada de forma errada por Raimi.

No geral, o filme agrada, faz rir e nos faz sentir a tensão de cada cena. E diferentemente do que outros dizem, achei bacana a ideia de deixar o personagem de Garfield heroico desde o início, afinal é isso que diferencia ele do restante: sempre quis impor sua justiça no mundo, só não tinha as qualidades necessárias para isso; a picada da aranha geneticamente mudada consegue lhe proporcionar isso, ele então só adapta e aprende a viver com seus poderes. Não fica se remoendo e se achando um perdedor. Heróis são criados para superar seus próprios medos, para conseguir proteger a humanidade! Nota 8,5

Kell diz: Batman >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> Todos os outros heróis. 😀

About the Author

Kell Luz

Kell (ou Raquel para as formalidades), 26 anos, analista de sistemas e aprendiz de desenvolvimento web. Tem como hobbie comer, dormir, comer e jogar muito video game (enquanto come algo). É Sonysta, mas no lugar mais quentinho do seu coração é também uma Nintendista nata. Ama todos os animais, mas prefere os gatinhos. :3

1 Comment

Leo Luz

Já que eu não coloquei minha opinião no texto…
Achei o Espetacular muito melhor do que o primeiro Aranha. Quando eu vi que os pais dele estavam no filme pensei que iria desandar, mas deu um certo sentido para a trama – não que ela seja a melhor.

Garfield está fantástico e Emma Stone é para virar musa!!

Deixe uma resposta