[Review] Onde está o metal opera do Avantasia em Ghostlights?

Oi Gente!

Eu lembro quando ouvi pela primeira vez Avantasia, foi o Metal Opera Pt. 2, em 2005. Foi amor a primeira vista: um metal opera com o maravilhoso Tobias Sammet como “dono” e principal vocalista. Uma obra prima cheio de ritmos, sinfonias e vocais únicos, um marco na minha vida!

Ghostlights 01

Mas o Avantasia aos poucos foi deixando de ser aquila banda e foi se tornando mais um Power Metal, talvez? Vide The Scarecrow, que eu também gosto muito, mas sabe… ficou faltando algo dos primórdios do grupo. Até que, em janeiro de 2016, eles lançam seu sétimo CD: Ghostlights.

Não digo que é o álbum perfeito, mas após o The Mistery of Time, é uma obra e tanto, ainda mais que em muitas das músicas, eles procuraram resgatar o feeling do metal opera que pode te deixar (no mínimo) arrepiado. Neste álbum, a já famosa Mistery of the Blood Red Rose, que meses atrás lançaram como lyric vídeo e eu fiquei “Ok… vamos aguardar mais informações”.

Ghostlights 02

Tentei não julgar igual eu fiz com Sleepwalking (e que no final o CD era bem mais ou menos mesmo) e esperei Ghostlights ficar disponível para me deliciar. A segunda música Let the Storm Descend Upon You – com seus maravilhosos 12 minutos – e outras do álbum como Unchain the Light, voltam exatamente à essência do que comentei acima: o metal opera do Avantasia está vivo e passa bem, obrigada!

Impossível não se emocionar com a junção de vozes marcantes nos refrões e ter solos que te fazem querer agitar. Em ‘Let the Storm’, temos a participação de Jorn Lande, Ronnie Atkins e Robert Mason; e em ‘Unchain’, Ronnie Atkins e Michael Kiske.

Temos também as calmas Isle of Evermore, com a voz maravilhosa e inconfundível de Sharon den Adel – sim, a mesma que canta nos dois primeiros álbuns da banda – e Lucifer (fica mais agitada para o final) com um dueto de tremer a alma entre e Tobias Sammet e Jorn Lande.

É claro que não temos nada comparado com as músicas clássicas The Tower ou Chalice of Agony, porém como eu disse, a essência da banda (do metal opera) está ali, contida em algum lugar. Procure e vai encontrar.

O meu objetivo não era decorrer de cada faixa, não sou música, apenas uma apreciadora, mas enxerguei Ghostlights como uma obra englobando as melhores coisas de cada álbum anterior, cada riff, cada voz, cada refrão cantado. Definitivamente, é um álbum melhor que The Mystery of Time, mas fica a dúvida: será que o Avantasia voltará a fazer algo melhor do que o Metal Opera Pt. 2?

About the Author

Kell Luz

Kell (ou Raquel para as formalidades), 26 anos, analista de sistemas e aprendiz de desenvolvimento web. Tem como hobbie comer, dormir, comer e jogar muito video game (enquanto come algo). É Sonysta, mas no lugar mais quentinho do seu coração é também uma Nintendista nata. Ama todos os animais, mas prefere os gatinhos. :3

Deixe uma resposta